Braceletes NATO

UM NOVO VISUAL PARA O SEU RELÓGIO

Certamente que o seu relógio e bracelete combinam na perfeição, mas isso não quer dizer que não possa experimentar algo diferente. Porque não fazer novas combinações e ver o que acontece? Pode acabar por descobrir um visual tão único quanto o seu.

01/44
Escolher uma bracelete
01/39

Braceletes NATO da OMEGA com Presley Gerber

Siga Presley Gerber, enquanto ele experimenta diferentes braceletes NATO para dar ao seu OMEGA Railmaster uma variedade de visuais coloridos. O mesmo relógio. Diferentes braceletes. Um novo estilo.

FUNCIONALIDADE ELEGANTE

Existem muitas opções de cor para as braceletes em poliamida, um têxtil composto de fibras sintéticas que oferece uma boa resistência à tração, assim como à abrasão. Apresentam-se com fivelas e presilhas em aço inoxidável. As fivelas em aço inoxidável das braceletes NATO são posicionadas de modo a proporcionarem um conforto acrescido a quem as usa, sendo as próprias braceletes confecionadas com materiais de qualidade particularmente elevada. São também disponibilizadas várias braceletes em couro Novonappa e uma bracelete totalmente revestida a tecido de nylon preto, com presilhas pretas e uma fivela polida.

PARA HOMENS E SENHORAS

Tal como acontecia com os modelos originais nos quais foram inspiradas, as braceletes NATO da OMEGA podem ser facilmente ajustadas até qualquer comprimento e, por conseguinte, são perfeitamente adequadas a cada pulso (até mesmo por cima da manga de um uniforme!).

 

LOJA POP-UP EM PARIS

A loja pop-up exclusiva da OMEGA em Paris permite que os clientes selecionem e comprem braceletes NATO através de um ecrã digital.

A loja interativa está aberta diariamente das 10h às 22h no número 11 da Rue Debelleyme, no bairro do Marais.

Ver a loja

ATRÁS NO TEMPO

As braceletes NATO da OMEGA evoluíram a partir das de couro e tela, usadas por pilotos britânicos, navegadores e membros do exército durante a Segunda Guerra Mundial. Por razões de segurança, os relógios de pulso não continham hastes de mola amovíveis a segurar as respetivas braceletes. As suas hastes fixas, frequentemente soldadas, tinham menos probabilidades de se partirem do que as hastes de mola, havendo também por isso menos hipóteses de perder a bracelete. Isto significava, evidentemente, que todas as braceletes eram criadas como uma peça única, inseridas através das hastes fixas.